sexta-feira, fevereiro 25, 2011

Paços de Ferreira.

Se um puto não arrumar o seu quarto e, pior, fizer gala de o conspurcar, todos concordarão que deverá levar um ralhete (e até algo mais). Ora, e se em causa estiver um recluso que, literalmente, caga a cela (ao ponto do cheiro nauseabundo levar os restantes reclusos a reclamar e a fazer greve de fome)? Enfim, um choque eléctrico não é coisa bonita de se ver. Mas o problema é esse mesmo: viu-se. Filmar aquilo era desnecessário. Mais desnecessário do que o choque, entenda-se. Há ralhetes que têm de ser acompanhados de uma palmada. E se aquilo que vimos é o exemplo da brutalidade que acontece nas nossas prisões, então devemos ter os guardas prisionais mais sensíveis e cordatos do mundo.

9 Comentários:

Às 3:11 da tarde , Anonymous Anónimo disse...

100% de acordo!

As imagens demonstram de facto uma brutalidade gorilácea... principalmente quando os guardas estiveram a desinfectar e a limpar as costas ao pobrezinho do recluso!!!

Se fosse no Brasil...

 
Às 3:30 da tarde , Anonymous Hugo disse...

Sobre este assunto li um livro muito interessante sobre as prisões tailandesas.

"Welcome to Hell" de Collin Martin

 
Às 3:34 da tarde , Anonymous Anónimo disse...

Concordo! Realmente, não é bonito de se ver. Mas, tirando nos filmes, em que a violência é "glamourizada", quando é que a violência é um espectáculo digno de se ver?

Sucede que o Estado não pode em casos limite deixar de fazer uso de violência. E este era claramente um deles. Pareceu-me que a força usada foi adequada, proporcionada e necessária. Perante o "histórico" violento do indivíduo e as suas acções completamente destrambelhadas e perigosas para a saúde dos outros, não seria exigível aos guardas o uso de um meio que previsivelmente representasse um risco qualificado para a sua integridade pessoal. E o meio usado foi o que preservou essa necessidade e do mesmo passo logrou o efeito útil da medida, com um custo pessoal pouco pesado para o visado.

E tenho dito, na linha de Vosselência.
Abraço,
NB

 
Às 4:31 da tarde , Blogger Pedro Coimbra disse...

Não era só defecar na cela.
Atirava a m#$%^ aos funcionários, aos guardas prisionais, aos médicos, às enfermeiras.
Tudo porque, desde o primeiro dia, deixou claro que o sistema prisional não o ia suportar.
E ele é que é a vítima?

 
Às 7:27 da tarde , Blogger VICI disse...

Grande NB! ;)

 
Às 7:52 da tarde , Anonymous Anónimo disse...

Qualquer dia quem vai preso são os guardas. Ridicula a forma comm a comunicação social, e (alguns partidos), ainda estão do lado do recluso. Até aos nosso filhos se ensina que não podem fazer aquelas porcarias, e se o fizerem são castigados..Por mim esse recluso levava era com a m.... pela boca abaixo!!!

 
Às 11:11 da tarde , Anonymous Anónimo disse...

Por mim o recluso ficava fechado dentro da cela sem comer, nem beber até fazer a limpeza á merda que acha que os outros recluso vizinhos tinham de de suportar.. E ainda condecorava os guardas prisionais!!!!!

 
Às 11:00 da tarde , Anonymous Anónimo disse...

Boa posta!!!!!!

 
Às 11:04 da tarde , Anonymous Anónimo disse...

Uma visão sobre o assunto 100% perfeita. Não podia estar mais de acordo, e vi artigos em vários jornais que nem aos calcanhares do seu chegam! Não estará o meu amigo a pensar em ser jornalista?

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial