sexta-feira, junho 29, 2007

Chumbo ao professor.


Saldanha Sanches (um das mais conceituados fiscalistas) foi reprovado nas provas de agregação que apresentou na FDUL (não conseguindo, portanto, aceder à categoria de professor catedrático).

Desde logo e obviamente, diversas inquietações ressaltam da asserção acima. A mais relevante, quer parecer-me, é como é que é possível que o conceituado jurista apareça exposto em tão ridícula situação?!

Até para o mais incauto ou distraído, é evidente que não se aceita a arguição de uma tese para agregação de um professor catedrático, se não se tiver certeza que o trabalho apresentado pelo professor tem qualidade suficiente para tal exposição. Por maioria de razão, também o professor não se quererá expôr ao ridículo de um "chumbo"...

Se o que vem dito é verdade, não me parece que se ofereçam dúvidas: o xô doutor foi lixado pelos seus pares!

O júri era composto por António Nóvoa e ainda pelos professores catedráticos Marcelo Rebelo de Sousa, Jorge Miranda, Fausto Quadros, Braga de Macedo, Paz Ferreira, Leite de Campos e Menezes Cordeiro.

Saldanha Sanches tem lançado farpas a Marcelo Rebelo de Sousa, acusando-o de lhe ter garantido que votaria a favor da sua agregação e, posteriormente, ter mudado a sua decisão. Marcelo responde aos ataques que lhe têm sido movidos com uma argumentação, no mínimo, deveras capciosa...

Na verdade, Marcelo tem tanto de genial como de malévolo, pelo que não me admiraria que tivesse (por alguma razão que evidentemente desconheço) "cozinhado" este resultado pouco dignificante para Saldanha Sanches, mas que também não abona muito em favor dos arguentes.

Revanchismos pessoais, favores particulares, interesses corporativos... Tudo isso sabemos que existe, mas quando a própria universidade se enreda nestes novelos, algo está realmente muito mal...

Bom FDS!

11 Comentários:

Às 4:34 da tarde , Blogger Ma Si Ka - 馬時嘉 disse...

Caro Vici

Acabei de tomar conhecimento do sucedido.

Desculpa mas a primeira reacção foi um sorriso.
A decisão, ''transpira odor a vingança por todos os poros''.
Se assim foi, não posso concordar com ela.


Conheci Saldanha Sanches em duas ocasiões. A primeira teve um caracter eminentemente social, apareceu acompanhado pela mulher(Maria José Morgado) num evento que eu tinha organizado enquanto membro de uma Associação de Estudantes.
Da segunda vez foi meu professor numa pós graduação que frequentei.
Devo dizer-te que das duas vezes não me conquistou. Pareceu-me um tipo manifestamente do contra, um tanto ao quanto snob para quem se diz profundamente de esquerda, convencido e muito pouco acessível.

Acredito que não foram estes defeitos que lhe negaram a Catedra. No entanto, recordo que Saldanha Sanches já teve, no passado, problemas com o seu Doutoramento.Recordo o voto contra do Prof. Pamplona Corte-Real, aquando da aprovação da sua tese de Doutoramento.

Já na altura se falou em perseguição política....

 
Às 5:41 da tarde , Anonymous Anónimo disse...

Isto cheira a pura "vingança" que alíás reine neste País...

 
Às 6:00 da tarde , Anonymous Anónimo disse...

Há muito tempo que a FDL vive enredada, presa e asfixiada em revanchismos pessoais, favores particulares, interesses corporativos, vinganças e baixeza de carácter – ou ausência de princípios e valores éticos e morais?
Conheci-a, já prisioneira, no ano de 1993.
Prisioneira de pessoas como Marcelo Rebelo de Sousa e Fausto de Quadros, quem o infortúnio quis que tivesse por professores. O maior ensinamento que estes me ministraram (um deles logo no primeiro ano do curso) foi o de que caminhar naquela casa sem padrinho equivale a viajar sem seguro de viagem: pode não acontecer nada… mas se acontecer, nada nem ninguém nos poderá valer. Ser um bom viajante não é garantia de uma viagem sem dissabores, especialmente quando não se compatibilizam cores políticas ou não se harmonizam opiniões e, para mais, se comete o agravo de dar voz às nossas mentes (intrepidez ou estultice?).
Salvam a casa os muitos professores que, ditosamente, ali exercem a sua profissão para (como se espera) ensinarem e avaliarem.
Embora o M.R.S. seja “Professor”, não é essa a imagem que guardo dele. Lembro-o sempre como político, pois era em propaganda política que convertia as suas aulas, num espaço que ele destinava a laboratório de lavagens cerebrais. E, se quiserem conhecer uma pessoa ardilosa e vingativa, mostrem ao Prof. Marcelo Rebelo de Sousa o quanto discordam dele, a ver como a vida vos corre bem… muitos discordarão de mim e eu direi: têm direito à vossa opinião, tanto quanto eu tenho à minha.
Saldanha Sanches diz que não se considera vítima de perseguição política e eu digo que ele se limitou a dizer o politicamente correcto. Não pretendo insinuar que ele teve um óptimo desempenho nas provas e tenha sido “injustiçado” (não estava lá, não vi nem ouvi), mas acredito, pelas defesas de teses de mestrado e de doutoramento a que assisti na FDL (uma delas decorrida sob forte ataque pessoal e todas as outras sob forte “garantia de sucesso” proporcionada pelo “núcleo duro”), que naquela casa tudo é possível.
Seja qual for a verdade, deixa-me apreensivo que Saldanha Sanches venha afirmar que já tinha garantido um voto a favor do Prof. Marcelo. Esta preocupação não se deve a que eu dê como assente que esse acordo não existisse entre ambos, mas antes ao facto de considerar que a atitude de Saldanha Sanches demonstra que o mesmo compactua com o compadrio reinante e não tem pejo em torná-lo público. A votação é secreta (devia ser) e efectuada após a prestação de provas (devia ser). Perdeu-se a aparência de seriedade, porque a seriedade há muito que está perdida… A FDL entrou em roda livre!

Quanto ao Fausto de Quadros, direi apenas que ainda não se apercebeu de uma certa revolução ocorrida em 1974. Nem me merece mais comentários, pois tal traduzir-se-ia em dar-lhe uma importância que não lhe reconheço.

 
Às 6:08 da tarde , Blogger VICI disse...

Desconheço quem fez o comentário acima, mas deixe-me agradecer o seu enorme contributo, principalmente porque fala de uma "casa" que parece conhecer muito bem.

Abraço!

 
Às 6:27 da tarde , Anonymous Anónimo disse...

Não sou da àrea juridica (como os comentadores do assunto de hoje me (pareçem ser) mas mais uma vez este blog me faz enriqueçer conhecendo realidades que como cidadão me interessam..e(como nos tem habituado o Vici)num texto muitissimo bem escrito..Abraço

 
Às 6:48 da tarde , Anonymous Anónimo disse...

Ë vingança política sim senhor! Também conheço bem a FDUL e concordo com o anónimo do comentário anterior.

 
Às 7:07 da tarde , Anonymous Anónimo disse...

Caro Vici,

Embora não saiba quem fez o comentário, conhece a pessoa que o fez ;)

Abraço!

 
Às 7:49 da tarde , Anonymous Anónimo disse...

Meus caros: Tudo isto demonstra o estado em que este País mergulhou..não existe vergonha, justica ou outra qualquer palavra que defina o estado em que nos lançaram.. sem estar metido na politica ou sem padrinhos (não vale nada ter mérito)pois não é por aí que se vai longe!!!!

 
Às 8:36 da tarde , Anonymous Leonentino disse...

Cá para mim foi o Pinto da Costa que lhe "fez a cama"...

Afinal o Sanches é casado com o Super-Hom, desculpem, com a Super-mulher-procuradora-lutadora-anti-corrupção com provas dadas no celebérrimo caso de corrupção ocorrido nas ilhas berlengas.

 
Às 3:00 da manhã , Anonymous Anónimo disse...

Vici,

Bem ou mal, feliz ou infelizmente, sempre a Universidade se enredou nestes novelos. Só que umas se enredam mais que outras. A diferença está só no grau com que o fazem. Há muitas capelinhas, muitos egos desmedidos que primeiro pensam neles, depois no umbigo deles e por último neles próprios. Isso da liberdade de pensamento e do culto do mérito é mais fachada para declamar nos Capelos que outra coisa qualquer...
Um abraço,
NB

 
Às 5:24 da tarde , Blogger VICI disse...

xô NB,

Confesso que não imaginava um quadro tão negro, mas já percebi que andava enganado...

Abraço!

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial