sexta-feira, setembro 14, 2012

Quem tem cu tem medo.

"If a player came to me and said he was gay I would say to him: 'You have shown courage'. But then I would tell him to find something else to do." - Rudi Assauer, antigo treinador de futebol. 

Na Alemanha, a exemplo do que é costume entre a comunidade gay das sociedades hodiernas, um homossexual resolveu fazer um alarido do caraças e, sem que lhe tivessem perguntado pêva, decidiu vir para a praça pública dizer que gosta de homens e que é jogador de futebol. Enfim, adiante, adiante, disse também que tem medo de ser marginalizado pelos outros jogadores de futebol (os que estão com ele no balneário mais do que os adversários, bem entendido). A Sra. Merkel (rectius “culona inchiavabile”, segundo o Sr. Berlusconi – e ele sabe do que fala), sempre segura das suas prioridades, decidiu botar faladura também e, vai daí, andou a berrar que era inaceitável que se marginalizasse um jogador pelo simples facto de ser gay. O Bayern, sedento de protagonismo, veio dizer que estaria disposto a aceitá-lo nas suas fileiras (fica a dúvida se por ser bom jogador, se por ser maricas). Ainda ninguém perguntou foi quem é que de facto marginalizou o rapaz. E também ainda ninguém perguntou aos jogadores do Bayern se vão continuar a sentir-se confortáveis quando o sabonete cair ao chão durante o banho. Isto sim, dúvidas pertinentes.

2 Comentários:

Às 6:10 da tarde , Anonymous Anónimo disse...

"Lá diz o ditado"...

 
Às 4:10 da tarde , Blogger Pedro Coimbra disse...

Não sendo jogador do Bayern, nem sendo homófobo, confesso que não me sinto nada à vontade no spa quando lá estão uns fulanos que não escondem que são completamente maricas.
Disse!!
Aquele abraço e votos de boa semana

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial