terça-feira, março 31, 2009

Frederico Gil.

Ontem, em Miami, Frederico Gil perdeu com Nadal, mas finalmente Portugal pode orgulhar-se de ter um tenista que fez o número 1 mundial suar as estopinhas. São, aliás, os espanhóis quem o admite aqui.

Rezam as crónicas que Gil poderia ter ganho o primeiro set (esteve a 2 pontos de o conseguir) e que Nadal teve de puxar dos galões e elevar o seu jogo ao máximo para bater o português. Nadal venceu por 7-5 e 6-3, ao cabo de 1 hora e 35 minutos de jogo.

Parabéns a Frederico Gil pela sua excelente época. Se mantiver a confiança e continuar a evoluir desta forma, estou convencido que este ano teremos um português no top 50 do ténis mundial. Força, rapaz!

Fiquem com algumas imagens do jogo de ontem.

sábado, março 28, 2009

Este sábado, deixo-vos com uma extraordinária artista de nome Ketevan "Katie" Melua. Nascida na Georgia, foi educada na Irlanda do Norte e em Inglaterra. Para além de ser dona de uma beleza natural e estonteante, ainda tem esta voz absolutamente encantadora. Fiquem com a música “Nine million bicycles”. E bom FDS!


Orgulho moçambicano.

Uma empresa chinesa ganhou a licitação para construir o novo estádio de futebol de Moçambique, com capacidade para 42 mil pessoas, que se prevê esteja construído até 2010 - antes do mundial de futebol que terá lugar na África do Sul.

O estádio será construído no bairro do Zimpeto, a 14 quilómetros de Maputo. As obras serão financiadas pelo governo chinês e estão avaliadas em US$ 57 milhões. Terá um relvado sintético, pista de atletismo e as mais modernas infra-estruturas.

sexta-feira, março 27, 2009

O mundo em Português - V.

Hoje, é a vez de trazer imagens de Lisboa, da bela Lisboa, capital de Portugal. Já tentaram de tudo: maltratá-la, descaracterizá-la, minimizá-la, ofendê-la. Mas ela resiste, com as suas colinas impantes sobre o tejo.

Fala quem sabe...

Sá Pinto, ex-futebolista que por acaso até é conde, veio ontem defender Pedro Silva, jogador do sporting. Ora, como tem sido por demais veiculado, Pedro Silva agrediu Lucílio Batista à peitada e ainda arremessou a medalha da final do fim-de-semana passado. Sá Pinto pede compreensão e diz que se tivesse sido com ele ainda tinha feito pior. E eu acredito no senhor conde. Basta lembrar o dia 26 de Março de 1997, dia em que o “Rei Artur” teve de fugir do “Ricardo-coração-de-leão”. Não há dúvida que Sá Pinto está habilitado a falar de agressões no futebol português. Conquistou esse direito de punho cerrado.

quinta-feira, março 26, 2009

O crime do Padre Eleutério.

Tive um professor que, quando começava o ano lectivo, vinha sempre com a mesma ladaínha desalmada: perguntava quem era do Sporting e afirmava que os restantes alunos estavam chumbados. Curioso ou nem por isso, creio poder adiantar que o professor não cumpria o prometido e chumbava de ambos os lados da barricada, tal como igualmente aprovava. E, tanto quanto sei, nunca nenhum aluno creu que o preclaro professor falasse verdade, quando, afinal, notoriamente brincava. Era um chiste, portanto. Há uns dias, um tal de Eleutério, padre por vocação, resolveu dizer uma piadita na missa. Coisa maldita, que aos padres não se admitem folganças! Caíu-lhe o carmo e a trindade em cima – salvo seja. Televisões, jornais, rádios e afins, tudo andou à cata do pobre prior e até à saída de um funeral lhe fizeram uma espera. O homem já se explicou: que era uma brincadeira, que tem destes hábitos durante a missa. Diz que é para cativar fiéis. Ainda ninguém lhe perdoou o gracejo. Padres brincalhões, era o que mais faltava! Do futebol ninguém zomba! Deixe lá, caro Padre Eleutério, o nosso Deus tem sentido de humor. E há-de seguramente estar a rir do patético Portugal e dos seus jornalistas, cada vez mais incompetentes e mesquinhos.

Afinal, tudo na vida é relativo...

Fim de tarde. Um ginecologista aguarda a sua última paciente que não chega. Depois de 45 minutos, o médico supõe que ela não virá e resolve beber um gin tónico para relaxar, antes de enfrentar o trânsito e voltar para casa. Instala-se confortavelmente numa poltrona e começa a ler o jornal quando toca a campainha. É a tal paciente, que chega exausta e pede mil desculpas pelo atraso.

- Não tem importância, imagine! - responde o médico - Olhe, eu estava a beber um gin tónico enquanto a esperava. Quer um também para relaxar?
- Aceito com prazer - responde a paciente aliviada.

O médico serve um copo à paciente, senta-se na sua frente e começam a conversar. De repente, ouve-se um barulho de chave na porta do consultório. O médico tem um sobressalto, levanta-se bruscamente e diz:

- É a minha mulher! Rápido!, tire a roupa, deite-se na cama e abra as pernas, se não ela pode desconfiar!

quarta-feira, março 25, 2009

Conversa da treta...

Passam agora 4 dias desde a final da taça patrocinada pela Carlsberg. O que se tem visto roça o surrealismo. Não vi a final nem festejei a vitória. Foi um jogo entre os derrotados da época desportiva. Se o SLB estivesse em primeiro no campeonato nacional, presente nas meias-finais da taça de Portugal e se tivesse, pelo menos, ultrapassado a fase de grupos da taça UEFA, talvez tivesse festejado. Mas não, nenhum destes objectivos foram alcançados. Não gosto de vitórias pírricas e não me revejo em festejos de pólvora seca. Já quanto à posição adoptada pelos adeptos e dirigentes do SCP, há que dizer que tem sido indigna e desproporcionada: as eternas vítimas do sistema que tanto as tem beneficiado! Tudo tentam para disfarçar o óbvio: 4 campeonatos em 35 anos e um clube longe das glórias do passado. Enquanto isso, a norte, um outro clube ri das palhaçadas dos rivais, incapazes de afrontar o poderio desportivo - e não apenas futebolístico - do campeão nacional.

Nhlanhla Nene.

Uma "chairperson" muito pouco dada a cadeiras... É só conferir as imagens da South African Broadcast Corporation (SABC).

video

terça-feira, março 24, 2009

Loucura ou marketing?

Há quem entenda que Joaquin Phoenix, de 34 anos, endoideceu – outros crêem tratar-se de uma golpada de marketing. O antigo actor americano, que aparentemente deixou o cinema para se dedicar integralmente ao rap, tem vindo a apresentar um comportamento deveras extravagante. É só conferir...

segunda-feira, março 23, 2009

AIG.

"Have the recipients of these checks no shame at all? (…) You are disgraced professional losers. And by the way, give us our money back!" – Earl Pomeroy, membro democrata da Câmara dos Representantes.

Os EUA estão ao rubro com a história do dinheiro distribuído entre os executivos da AIG. A semana passada, a Câmara dos Representantes passou uma lei que visa taxar até 90% todos os rendimentos obtidos com o dinheiro destinado a reavivar a economia e que, surpreendentemente ou talvez não, foi parar às mãos dos diligentes profissionais da seguradora. Não vai a bem, vai a mal... Pimba! É passar o bufanfa para cá, seus trafulhas! É nestas alturas que, por inglória comparação, percebo que trafulhices há-as em toda a parte. A diferença é que os trafulhas nos EUA são responsabilizados; são mal vistos e mal aceites. Aliás, por estes dias, os nomes dos executivos que se locupletaram à custa do erário público não poderão sequer ser revelados, pois pendem sobre eles as mais diversas ameaças. Nos EUA, assaltar os cofres do estado equivale a roubar todos os contribuintes, todos os cidadãos. Já o mesmo se não passa noutros países à beira-mar plantados. O que vale é que o povo é sereno, como foi asininamente cunhado nos idos anos de setenta. Não sei é se esta qualificação não será um eufemismo para lorpa. Se o é, está na altura de deixar de o ser...

sábado, março 21, 2009

Casa de massagens...

sexta-feira, março 20, 2009

Infiltrados.

Strecht Monteiro, homem socialista e de nome pomposo, insurgiu-se avinagradamente contra aquilo que considera uma infiltração de “trânsfugas de direita no PS”. Ora, a defesa intransigente da matriz socialista do partido só lhe fica bem. E ficava ainda melhor se não fosse treta. De facto, os jobs não chegam para todos e há que acautelar a posição dos mais antigos, o que não deixa de ser coisa digna: os mais velhos e os amigos estão primeiro. E melhor seria se tivesse defendido as suas convicções ideológicas no seio do próprio partido e não num qualquer debate promovido pelo bloco de esquerda. Mas, lá está, se calhar sou eu que só vejo perversidade nesta corja de bandoleiros, quando afinal é só nobreza...

Rio de Janeiro e São Paulo.

Durante esta semana, foram muitos os visitantes que nos chegaram do Brasil. Decidi, por isso, dedicar-lhes este post. Para tal, optei por mudar um pouco a rubrica que semanalmente ocupa este espaço e deixar algumas imagens antigas do Rio de Janeiro e de São Paulo.


quinta-feira, março 19, 2009

Destinos de férias

Foram estes os resultados da sondagem que esteve a decorrer, aqui no blogue, durante mais de um mês. Obrigado a todos pela participação.

Dos seguintes, qual o melhor pais para passar ferias na Asia?

TAILANDIA - 28 votos
MALASIA - 13 votos
FILIPINAS - 2 votos
INDONESIA - 6 votos
CHINA - 3 votos
VIETNAME - 17 votos
LAOS - 3 votos
CAMBODJA - 3 votos
JAPAO - 8 votos
COREIA DO SUL - 3 votos

Conselho.


quarta-feira, março 18, 2009

Bento XVI.

Por diversas vezes, ante alguns ataques movidos contra as posições da Igreja Católica, estive para vir a terreiro defender o direito da mesma a manifestar a sua opinião e a reforçar a validade dos seus dogmas religiosos - que são, no fundo, o seu sustentáculo. Porém, também nunca tive dúvidas que a Igreja Católica, enquanto representação humana, nem sempre é o retrato fiel da crença que a alimenta. Se, por um lado, João Paulo II verdadeiramente dignificou a fé cristã em todo o mundo e foi um Papa razoável, ponderado e visionário; por outra banda, Bento XVI parece viver alheado da realidade e, regra geral, não tem prestado um bom serviço à causa cristã. Inacreditáveis as declarações que tem proferido em África sobre o uso do preservativo! Tal como diria Mahatma Gandhi, “I like your Christ, I do not like your Christians. Your Christians are so unlike your Christ."

Dina Soares vs Rui Pereira.

Dina Soares é o nome de uma jornalista cuja existência eu desconhecia até ontem de manhã. Ao que parece, a senhora foi uma das profissionais da imprensa que acompanhou a comitiva do PM a Cabo-Verde. Ora, acontece que a referida alega ter sido desconsiderada pelo preclaro ministro Rui Pereira (personalidade sobre a qual, para ser franco, também não tenho ouvido falar por aí além). Surpreendentemente, a jornalista apressou-se a contar o sucedido no seu blogue - aqui. Mais supreendentemente ainda, o ministro, sentindo-se injustiçado, foi tirar desforço directamente nos comentários à posta da jornalista! Coisa inaudita, pois não me lembro sequer de um ministro se explicar na Assembleia da República, quanto mais na blogosfera. Não sei quem terá razão neste imbróglio, mas, doravante, não vou cansar-me de achincalhar políticos, ministros e outros de igual jaez. Até porque aviltar ministros transporta consigo algo de serviço público. E, ademais, muito gostava eu que um ministro me desse o privilégio de se vir defender aqui ao estaminé. Isto está a precisar de aumentar as visitas e esses gajos, como se vê, sabem atrair audiências.

terça-feira, março 17, 2009

Credit Default Swap.


Credit Default Swap é palavrão de financeiro e nem sequer sei se há tradução para a língua portuguesa - o que também é coisa de financeiro, habituado a usar estrangeirismos para oferecer uma aura de intelectualidade ao discurso. Seja como for, a complexidade do palavrão não corresponde à facilidade prática que o seu uso acarreta. É até um produto financeiro estranhamente simples. E apetecível. Principalmente, porque funciona sem qualquer regulamentação ou controlo estatal. Ora, bem vistas as coisas, despido da sua aparência de complexidade – isto é, trocando por miúdos –, a sua substância é embaraçosamente básica: mais do que um produto financeiro, é uma prática digna de um casino de Las Vegas. Aliás, os lawmakers americanos só em 2000 decidiram retirá-la da lista negra das actividades consideradas jogos de fortuna e azar. Como devem estar arrependidos... Ou não. Depende se são gestores da AIG.

segunda-feira, março 16, 2009

Pedro Mexia, no "Público".

Aqui fica, para quem ainda não leu, um texto de Pedro Mexia sobre os advogados. Será isto provocação, inveja, exagero ou realismo?

"Um navio naufraga e afogam-se cem advogados. É um desastre? Não, é um bom começo. Sempre ouvi anedotas destas. E não percebia porquê tanto azedume. Era como se os advogados fossem a escória do mundo. Conheço a classe: tenho primos e amigos advogados e até já me amiguei com causídicas. Eu próprio estive quase a ser da tribo. Depois de um curso penoso, fui o estagiário mais incompetente desde o cavalo de Calígula e chumbei na prova oral, entalado com perguntas inclementes sobre registos e notariado, assunto a que eu tinha devotado tanta atenção como à diferença entre as etnias balanta e bijagós. Em vez de repetir o exame, como outros faziam, senti que aquilo era um sinal divino e suspendi a inscrição. E lá continua suspensa, há tantos anos que já deve ter caído ao chão, exausta.A verdade é que se tudo tivesse corrido mal eu hoje seria advogado. Estava tudo encaminhado para que me tornasse, como toda a gente, "casado, quotidiano, fútil e tributável". Não escapei totalmente a ser “gros bourgeois” (mais “gros” que “bourgeois”), mas escapei à advocacia. Num texto chamado “Why I Am Not a Lawyer”, o ensaísta americano Joseph Epstein imagina-se um advogado de sucesso, atravessando a cidade no seu descapotável, com um belo casaco de caxemira, um relógio com um mostrador gigante, as unhas de manicura esmerada, os lavados e muitos dentes brancos à mostra. É isso que eu seria, se tivesse sido um advogado de sucesso, e também para ser um coçado advogado da comarca de Lamego não teria valido a pena. Joseph Epstein diz que o que o afastou da advocacia foi em grande medida a literatice e a impaciência com temas entediantes. Faço minhas as palavras do ilustre colega. O grande Tocqueville escreveu que os advogados americanos eram a aristocracia da democracia. Mas Tocqueville nunca conheceu um perito em evasão fiscal de Boca Raton. Reconheço a nobreza da ideia de “advocatus”, "aquele que é chamado". A defesa dos ofendidos e a administração da justiça são bens necessários. Mas não é preciso ter passado pelos bancos da faculdade para perceber que a vida jurídica tem pouco a ver com a Justiça maiúscula. É antes uma questão de provas, cláusulas, argumentos, interpretações, truques. Faço parte das pessoas que na juventude se interessaram pela profissão por causa dos advogados criminais das séries televisivas, litigantes de barra janotas e retóricos, que lidavam com casos fascinantes e eram gente decente. De” Perry Mason” às “Teias da Lei”, foram anos de doutrinação, e só no estágio percebi que até o direito criminal é um tédio (consiste basicamente no contacto com janados, larápios de automóveis e caloteiros). Se a vida dos advogados é menos excitante do que parece, a nobreza da profissão também é bem menos evidente do que o ideal. O Estatuto da Ordem dos Advogados proclama, no seu artigo 82º: "A honestidade, probidade, rectidão, lealdade, cortesia e sinceridade são obrigações profissionais." É um artigo anedótico, uma notável anedota de advogados. Se isso fosse assim, porque é que uma sondagem recente punha os advogados quase no fim da lista das profissões simpáticas aos portugueses? É que levavam um banho dos bombeiros que nem com agulhetas.O exacerbamento da dimensão "virtuosa" da advocacia lembra aquele delicioso preceito da Constituição jacobina de 1793: "Todos os cidadãos devem ser bons." Claro que há muitos advogados honestos, leais, corteses e o mais, mas nada disso é característica especial da profissão. Quanto à ideia de que os advogados são "sinceros", diria que é o adjectivo mais improvável de entre todos os contidos no dicionário Houaiss. Basta lermos as notícias: hoje em dia os advogados são muitas vezes empresários, lobbyistas, capangas de mafiosos. A mentira é para eles um dever profissional. Não creio que a classe se encontre moralmente abaixo da dos picheleiros ou dos talhantes, mas daí a tecer elogios à sua elevação ética vão uns quantos jantares em restaurantes da moda.A autoconfiança da espécie é um espectáculo que eu contemplo todos os dias com renovado pasmo. Alguém dizia que um advogado é um tipo que se senta e compõe a gravata à espera que todos exclamem: eis finalmente um tipo que se sabe sentar e compor a gravata. O advogado de sucesso não é o herói romântico dos romances policiais, mas a mordaz personagem de James Spader em “Boston Legal”: fatinho impecável, pose erecta, modos afectados, arrogância social, indomitável cinismo, lascívia em cascata, aquele esgar irónico entre o desprezo e a obstipação. O dicionário Houaiss tem uma palavra para eles: são uns cagões. Tocqueville ficaria triste."

sexta-feira, março 13, 2009

O mundo em português - IV.

Aqui estou de volta com a rubrica das sextas-feiras. É chegada a altura de uma posta sobre a Cidade da Beira. Como tal, é esta uma posta dedicada aos chivevianos.

A construção desta cidade do centro de Moçambique deve-se à imaginação e empreendedorismo português. Construída numa zona pantanosa, alguma da sua área situa-se abaixo do nível do mar.

Foi fundada em 1890 e desde cedo se tornou um dos principais portos moçambicanos. Serviu durante muitos anos como porto de entrada e saída de produtos rodesianos. No tempo colonial, era igualmente um destino de fim-de-semana para muitos rodesianos brancos.

Enquanto província ultramarina, era uma cidade marcadamente bairrista e que procurava afrontar o poder central da antiga Lourenço Marques. Curioso como, ainda hoje, mantém algumas das características que a tornaram única. De facto, ainda hoje é um dos raros municípios que não pertence à Frelimo. E já nem sequer é Renamo! Actualmente, as pessoas daquela centenária cidade preferem votar num independente, um homem filho de um lider já desaparecido e que não se cansa de fazer o mesmo que o seu pai: arrostar a arrogância e o compadrio. Espero que seja obstinado na sua tarefa e que tenha mais sorte que o seu progenitor, morto às mãos dos politiqueiros aproveitadores.

Estive lá pela última vez em 2006 e já estava de malas aviadas para Macau.

Já agora, foi nesta cidade que este que vos escreve nasceu. Corria o ano de 1976.

quinta-feira, março 12, 2009

Hilariante.


Frangalhadas.

Helton é guarda-redes e é o gajo que largou a bola em diversas pelejas futebolísticas, como sejam os casos dos últimos jogos em Madrid e em Matosinhos. Um frangueiro, como antigamente se apelidava alguém que fazia o mesmo que Helton faz constantemente. Ontem, porém, o pobrezinho seguiu os passos de um tal de Miguel – sujeito que não tem o bigode do pai, mas usa gel, brincos e frequenta passereles - e deixou entender que é perseguido. Por quem? Não disse. Foi quase em pranto que, enquanto invocava o santo nome de Deus em vão uma meia-dúzia de vezes, afirmou que "o" Helton lutaria contra tudo e contra todos. Regra geral, esta é uma técnica primária de procurar ocultar a incompetência e o disparate: referência sibilina a grandes teorias da conspiração, vitimização, utilização exaustiva de referências ao Divino e o recurso à tão afamada terceira pessoa do singular. Um fartote. O problema maior reside no facto do PM José fazer exactamente a mesma coisa. Também se vitimiza e fala enigmaticamente de obscuras forças conspirativas em vez de se explicar. Nem quero imaginar quando começar a dizer: “O José está bem e tranquilo e vai lutar contra o sistema e contra a perseguição política com a ajuda de Deus que é misericordioso!” Espero que o país ganhe juízo antes disso acontecer.

"Dancing Driver"

Ainda a propósito da condução:

quarta-feira, março 11, 2009

Sugestão.



Boris Vian.

Passou ontem mais um aniversário sobre o nascimento de Boris Vian. Deixo-vos com "Le Déserteur" e o absurdo da guerra.

terça-feira, março 10, 2009

Perguntas.

Alguém me explica, muito calmamente, por que é que um árbitro vai a casa de um dirigente desportivo, na véspera de um jogo, falar de problemas pessoais? Que problemas pessoais? Que ligação teria com o dirigente que lhe permitisse tal liberdade? Por que é que não quis que ninguém ouvisse a conversa? Seriam problemas financeiros? Era dos que gosta de fruta? Por que é que o dirigente recebeu o árbitro? Serei eu que vejo maldade onde ela não existe? E, já agora, o problema pessoal sempre foi resolvido? É que conheço muita gente que anda para aí com as mais variadas dificuldades. Se o tal dirigente desportivo é assim tão prendado, talvez pudesse disponibilizar-se para ajudar. A mim, pode contactar-me através do blogue. Não quero é fruta, estava mais interessado em certos e determinados envelopes. Garanto que tenho um primo que tem um vizinho, cuja sobrinha vive mesmo defronte da casa da amante de um árbitro de Setúbal. É só mandar avisar que arranja-se o contacto. Traga é o envelope.

segunda-feira, março 09, 2009

Ricardo Patrese e mulher.

Um vídeo verdadeiramente divertido.

sexta-feira, março 06, 2009

O mundo em português - III.

Hoje, deixo-vos imagens da Coimbra de outros tempos. Curiosamente, há cerca de uma década estava eu a licenciar-me nesta magnífica cidade, que tão gratas recordações me traz.



(...)
Coimbra das canções
Tão meiga que nos pões
Os nossos corações
A nu

Coimbra dos doutores
P'ra nós os teus cantores
E a fonte dos amores
És tu
(...)

quinta-feira, março 05, 2009

Apanhados.

video

Mestre Pinto.

quarta-feira, março 04, 2009

Mourinho e a "prostituzione intellettuale".



A transcrição pode ser consultada aqui, no sítio do Inter.

segunda-feira, março 02, 2009

Nino Vieira.


De acordo com as últimas notícias, mataram Nino Vieira.